Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram



A OPINIÃO PÚBLICA NÃO EXISTE - Pierre Bourdieu

 
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Filosofia
Exibir tópico anterior :: Exibir próximo tópico  
Autor Mensagem
Fabrício de Lima




Idade: 31
Registrado: 28/09/09
Mensagens: 37

MensagemEnviada: 06/03/2010 - 08:58:50    Assunto: A OPINIÃO PÚBLICA NÃO EXISTE - Pierre Bourdieu Responder com citação


A OPINIÃO PÚBLICA NÃO EXISTE

Pierre Bourdieu


Primeiramente eu gostaria de deixar claro que o meu objetivo não é
denunciar de uma forma mecânica e fácil as pesquisas de opinião, mas, sim
proceder a uma análise rigorosa de seu funcionamento e suas funções. O que
supõe o questionamento de seus três postulados implícitos. Qualquer
pesquisa de opinião supõe que todo mundo pode ter uma opinião; ou,
colocando de outra maneira, que a produção de uma opinião está ao alcance
de todos. Mesmo sabendo que poderei me chocar com um sentimento
ingenuamente democrático, contestarei este primeiro postulado. Segundo
postulado: supõe-se que todas as opiniões têm valor. Acho que é possível
demonstrar que não é nada disso e que o fato de se acumular opiniões que
absolutamente não possuem a mesma força real, faz com que se produza
artefatos sem sentido. Terceiro postulado implícito: pelo simples fato de se
colocar a mesma questão a todo mundo, está implícita, a hipótese de que há
um consenso sobre os problemas, ou seja, que há um acordo sobre as
questões que merecem ser colocadas. Estes três postulados implicam,
parece-me, toda uma série de distorções observadas mesmo quando todas
as condições do rigor metodológico são preenchidas na coleta e na análise
dos dados.
Costuma-se freqüentemente fazer críticas técnicas às pesquisas de
opinião. Por exemplo, coloca-se em dúvida a representatividade das
amostras. Acho que no estado atual dos meios utilizados pelos escritórios de
produção de pesquisas, a objeção não é muito fundamentada. Reprovam-lhes
também o fato de colocar questões contendo viéses ou, mais ainda, de
colocar viéses na formulação das questões: isto já é mais verdadeiro e
freqüentemente a resposta é induzida através da maneira de se colocar a
questão. Assim, por exemplo, transgredindo o preceito elementar da
1 Comunicação feita em Noroit (Arras) em janeiro de 1972 e publicada em Les Temps
Modernes, 318, janeiro de 1973.
construção de um questionário que exige que se "dê oportunidade" a todas as
respostas possíveis, omite-se freqüentemente nas questões ou nas respostas
propostas uma das opções possíveis, ou ainda, propõe-se muitas vezes a
mesma opção sob formulações diferentes. Existem todos estes tipos de
viéses e seria interessante se perguntar sobre as condições sociais que
propiciam seu aparecimento. Na maioria das vezes, eles têm a ver com as
condições em que trabalham as pessoas que produzem os questionários.
Mas devem-se principalmente ao fato de que as problemáticas fabricadas
pelos institutos de pesquisa de opinião estão subordinadas a uma demanda
de tipo particular. Assim, empreendendo a análise de uma grande pesquisa
nacional sobre a opinião dos franceses a respeito do sistema de ensino, nós
localizamos, nos arquivos de alguns centros de estudos, todas as questões
referentes ao ensino. Isto nos fez ver que mais de duzentas perguntas sobre
o sistema de ensino foram feitas depois de Maio de 68, contra menos de vinte
entre 1960 e 1968. Isto significa que as problemáticas impostas a este tipo de
organismo estão profundamente ligadas à conjuntura e dominadas por um
certo tipo de demanda social. A questão do ensino, por exemplo, só pôde ser
colocada por um instituto de opinião pública quando se tornou um problema
político. Vê-se imediatamente a distância que separa estas instituições dos
centros de pesquisas que engendram suas problemáticas, senão em céu
aberto, pelo menos com uma distância muito maior em relação à demanda
social sob sua forma direta e imediata.
Uma análise estatística sumária das questões colocadas nos mostrou
que a grande maioria se ligava diretamente às preocupações políticas do
"pessoal político". Se esta noite quiséssemos nos divertir brincando com
papeizinhos e se eu lhes dissesse para escrever as cinco questões que lhes
parecem mais importantes sobre o ensino, seguramente obteríamos uma lista
muito diferente da que obtemos a partir das questões que foram efetivamente
colocadas pelas pesquisas de opinião. A pergunta: "Deve-se introduzir a
política nas escolas secundárias?" (ou variantes) foi colocada com muita
freqüência, enquanto a pergunta: "Deve-se modificar os programas?" ou
"Deve-se modificar o modo de transmissão dos conteúdos?", raramente foi
colocada. Da mesma forma: "Deve-se reciclar os professores?". E tantas
questões que são muito importantes, pelo menos em outra perspectiva.
As problemáticas que são propostas pelas pesquisas de opinião se
subordinam a interesses políticos, e isto dirige de maneira muito acentuada o
significado das respostas e, ao mesmo tempo, o significado dado à publicação
dos resultados, Em seu estado atual, a pesquisa de opinião é um instrumento
de ação política; sua função mais importante consiste talvez em impor a ilusão
de que existe uma opinião pública que é a soma puramente aditiva de opiniões
individuais; em impor a idéia de que existe algo que seria uma coisa assim
como. a média das opiniões ou a opinião média. A "opinião pública" que se
manifesta nas primeiras páginas dos jornais sob a forma de percentagens
(60% dos franceses são favoráveis à...), esta opinião pública é um artefato
puro e simples cuja função é dissimular que o estado da opinião em um dado
momento do tempo é um sistema de forças, de tensões e que não há nada
mais inadequado para representar o estado da opinião do que uma
percentagem.
Sabemos que todo exercício da força se acompanha de um discurso
visando a legitimar a força de quem o exerce; podemos mesmo dizer que é
próprio de toda relação de força só ter toda sua força na medida em que se
dissimula como tal. Em suma, falando simplesmente, o homem político é
aquele que diz: "Deus está conosco". O equivalente atual de "Deus está
conosco" é "a opinião pública está conosco". Tal é o efeito fundamental da
pesquisa de opinião: constituir a idéia de que existe uma opinião pública
unânime, portanto legitimar uma política e reforçar as relações de força que a
fundamentam ou a tornam possível.
Tendo dito no começo o que queria dizer no fim, vou tentar indicar muito
rapidamente quais são as operações através das quais se produz este efeito
de consenso. A primeira operação, que tem como ponto de partida o postulado
segundo o qual todo mundo deve ter uma opinião, consiste em ignorar as nãorespostas.
Por exemplo, você pergunta às pessoas: "Você é favorável ao
governo Pompidou?" Você registra 30% de não-resposta, 20% de sim, 50% de
não. Você pode dizer: a parte das pessoas desfavoráveis é superior à parte
das pessoas favoráveis e depois há este resíduo de 30%. Você também pode
recalcular as percentagens favoráveis e desfavoráveis excluindo as nãorespostas.
Esta simples escolha é uma operação teórica de uma importância
fantástica, sobre a qual eu gostaria de refletir com vocês.
Eliminar as não-respostas, é fazer aquilo que se faz numa consulta
eleitoral onde há votos nulos ou brancos; é impor à pesquisa de opinião a
filosofia implícita da pesquisa eleitoral. Se olharmos mais de perto,
observamos que a taxa de não-respostas é de um modo geral mais elevada
entre as mulheres do que entre os homens, que a distância entre as mulheres
e os homens torna-se maior quando os problemas colocados são de ordem
mais propriamente política. Outra observação: quanto mais uma pergunta se
refere a problemas de saber, de conhecimento, maior é a distância entre as
taxas de não-respostas dos não-instruídos e dos menos instruídos. Ao
contrário, quando as perguntas se referem a problemas éticos, as variações
das não-respostas segundo o nível de instrução são fracas (exemplo: "Devese
ser severo com as crianças?"). Outra observação: quanto mais uma
pergunta coloca problemas conflitivos, se refere a algum ponto contraditório
(por exemplo, uma pergunta sobre a situação na Tchecoslováquia para
pessoas que votam nos comunistas), mais ela gera tensões para uma
determinada categoria, maior a freqüência de não-respostas nesta categoria.
Conseqüentemente, a simples análise estatística das não-respostas dá uma
informação sobre o que significa a pergunta e também sobre a categoria
considerada, sendo esta definida tanto pela probabilidade a ela imputada de
ter uma opinião quanto pela probabilidade condicional de ter uma opinião
favorável ou desfavorável.
A análise científica das pesquisas de opinião mostra que praticamente
não existe problema omnibus: não existe pergunta que não seja reinterpretada
em função dos interesses das pessoas às quais ela é colocada e o primeiro
imperativo seria o de se perguntar a que pergunta as diferentes categorias de
inquiridos pensaram estar respondendo. Um dos efeitos mais perniciosos da
pesquisa de opinião consiste precisamente em colocar pessoas respondendo
perguntas que elas não se perguntaram.. Como por exemplo as questões que
giram em torno dos problemas da moral, tratem elas sobre a severidade dos
pais, as relações entre professores e alunos, a pedagogia diretiva ou nãodiretiva,
etc., problemas que são encarados como problemas éticos à medida
em que se desce na hierarquia social, mas que podem ser considerados como
problemas políticos pelas classes superiores. Um dos efeitos da pesquisa
consiste em transformar as respostas éticas em respostas políticas pelo
simples efeito de imposição da problemática.
De fato, há muito princípios a partir dos quais se pode engendrar uma
resposta. Primeiramente, há aquilo que podemos chamar de competência
política em relação a uma definição de política ao mesmo tempo arbitrária e
legítima, isto é, dominante e dissimulada enquanto tal. Esta competência
política não é repartida universalmente. Ela, a grosso modo, varia como o nível
de instrução. Dito de outra maneira, a probabilidade de se ter uma opinião
sobre todas as questões que supõem um saber político é bastante comparável
à probabilidade de ir ao museu. Podemos observar diferenças fantásticas:
onde um estudante engajado em qualquer movimento esquerdista percebe
quinze divisões à esquerda do PSU, um quadro médio não vê nada. Na escala
política (extrema-esquerda, centro-esquerda, centro, centro-direita, direita,
extrema-direita, etc.) que as pesquisas de ciências políticas empregam como
algo óbvio, certas categorias sociais utilizam intensamente um cantinho da
extrema-esquerda; outras utilizam unicamente o centro, outras utilizam a
escala inteira. Finalmente uma eleição é a agregação de espaços inteiramente
diferentes; soma-se pessoas que tiram as medidas por centímetros com
pessoas que o fazem por quilômetros, ou seja, pessoas que graduam de 0 a
20 e pessoas que graduam de 9 a 11. Mede-se a competência, entre outras
coisas, pelo grau de requinte da percepção (é a mesma coisa em estética,
alguns podendo distinguir os cinco ou seis estilos sucessivos de um único
pintor).
Esta comparação pode ser levada mais longe. Em matéria de percepção
estética há, em primeiro lugar, uma condição permissiva: é preciso que as
pessoas pensem a obra de arte como obra de arte. Depois de tê-la percebido
como obra de arte é preciso que tenham categorias de percepção para
construí-la, estruturá-la, etc. Suponhamos uma pergunta formulada assim:
"Você é a favor de uma educação diretiva ou de uma educação não-diretiva?"
Para alguns, ela será constituída como política onde a representação das
relações pais-filhos se integra numa visão sistemática da sociedade; para
outros, é uma pura questão moral. Assim, o questionário que elaboramos e
onde perguntamos às pessoas se, para eles, fazer greve, ter cabelos longos,
participar de um festival pop, etc., são coisas políticas ou não, mostrou
variações muito grandes dependendo das classes sociais. A primeira condição
para responder adequadamente a uma pergunta política é, portanto, ser capaz
de constituí-Ia enquanto política. A segunda, tendo-a constituído como política,
é ser capaz de aplicar a ela categorias propriamente políticas que podem ser
mais ou menos adequadas, mais ou menos refinadas, etc. Tais são as
condições específicas da produção de opiniões, que a pesquisa de opinião
supõe estarem universal e uniformemente preenchidas com o seu primeiro
postulado segundo o qual todo mundo pode produzir uma opinião.
O segundo princípio a partir do qual as pessoas podem produzir uma
opinião é o que chamo de "ethos de classe" (para não dizer "ética de classe"),
isto é, um sistema de valores implícitos que as pessoas interiorizam desde a
infância e a partir dos quais produzem respostas a problemas extremamente
diferentes. As opiniões que as pessoas podem trocar na saída de uma partida
de futebol entre Roubaix e Valenciennes devem uma grande parte de sua
coerência, de sua lógica, ao ethos de classe. Uma enorme quantidade de
respostas, consideradas como políticas, são na realidade produzidas a partir
do ethos de classe e podem se revestir, ao mesmo tempo, de um significado
inteiramente diferente quando são interpretados no terreno político. Aqui,
tenho que fazer uma referência a uma tradição sociológica, divulgada
principalmente entre certos sociólogos da política nos Estados Unidos, que
falam muito comumente de um conservadorismo e de um autoritarismo das
classes populares. Estas teses estão baseadas na comparação internacional
de pesquisas ou de eleições que tendem a mostrar que cada vez que se
interroga as classes populares, em qualquer país que seja, sobre problemas
referentes às relações de autoridade, liberdade individual, liberdade de
imprensa, etc., elas dão respostas mais "autoritárias" do que as outras
classes. E daí se conclui, de uma maneira global, que há um conflito entre os
valores democráticos (no autor em que estou pensando, Lipset, trata-se de
valores democráticos americanos) e os valores que as classes populares
interiorizam, valores de tipo autoritário e repressivo. Daí se tira uma espécie de
visão escatológica: elevemos o nível de vida; elevemos o nível de instrução,
pois já que a propensão à repressão, ao autoritarismo, etc., está ligada às
baixas rendas, aos baixos níveis de instrução, etc., produziremos assim bons
cidadãos da democracia americana. A meu ver, o que está em questão é o
significado das respostas a algumas perguntas. Suponhamos um conjunto de
questões do tipo seguinte: Você é favorável a igualdade de sexos? Você é
favorável à liberdade sexual dos cônjuges? Você é favorável a uma educação
não-repressiva? Você é favorável à nova sociedade?, etc. Suponhamos um
outro conjunto de questões do tipo: Os professores devem fazer greve quando
sua situação se encontrar ameaçada? Os docentes devem ser solidários aos
outros funcionários nos períodos de conflito social?, etc. Estes dois conjuntos
de perguntas dão respostas com estruturas estritamente inversas quanto à
classe social. O primeiro conjunto de perguntas, que se refere a um certo tipo
de renovação nas relações sociais, na forma simbólica das relações sociais,
suscita respostas muito mais favoráveis quando se sobe na hierarquia social e
na hierarquia segundo o nível de instrução; inversamente, as perguntas que se
referem às transformações reais das relações de força entre as classes sociais
suscitam respostas mais e mais desfavoráveis à medida que se sobe na
hierarquia social.
Resumindo, a proposição "as classes populares são repressivas" não é
nem verdadeira nem falsa. É verdadeira na medida em que, diante de todo um
conjunto de problemas como os que tocam à moral doméstica, às relações
entre as gerações ou entre os sexos, as classes populares têm a tendência de
se mostrar muito mais severas do que as outras classes sociais. Ao contrário,
sobre as questões de estrutura política, que colocam em jogo a conservação
ou a transformação da ordem social, e não apenas a conservação ou a
transformação dos modos de relação entre os indivíduos, as classes populares
são muito mais favoráveis à inovação, isto é, a uma transformação das
estruturas sociais. Vocês podem ver como certos problemas colocados em
Maio de 68, e freqüentemente mal colocados, no conflito entre o Partido
Comunista e os esquerdistas, ligam-se diretamente ao problema central que
tentei colocar esta noite, o da natureza das respostas, isto é, do princípio a
partir do qual elas são produzidas. A oposição que fiz entre estes dois grupos
de perguntas se remete, com efeito, à oposição entre dois princípios da
produção de opiniões: um princípio propriamente político e um princípio ético,
sendo o problema do conservadorismo das classes populares produto da
ignorância desta distinção.
O efeito de imposição da problemática, efeito exercido por qualquer
pesquisa de opinião e por qualquer interrogação política (a começar pela
8
eleitoral), resulta do fato de que às perguntas colocadas numa pesquisa de
opinião não são perguntas que realmente se colocam a todas as pessoas
interrogadas e as respostas não são interpretadas em função da problemática
que servia efetivamente como referência, às diferentes categorias de
inquiridos. Assim, a problemática dominante, cuja imagem é revelada pela lista
de perguntas feitas durante dois anos pelos institutos de pesquisas de opinião,
ou seja, a problemática que interessa essencialmente às pessoas que detêm o
poder e querem ser informadas sobre os meios de organizar sua ação política,
é dominada de forma bastante desigual pelas diferentes classes sociais. E,
fato importante, estas estão mais ou menos aptas a produzir uma contraproblemática.
A respeito do debate televisionado entre Servan-Schreiber e
Giscard d'Estaing, um instituto de pesquisa de opinião colocou perguntas do
tipo: "0 sucesso escolar se deve ao talento, à inteligência, ao trabalho, ao
mérito?" As respostas obtidas efetivamente liberam uma informação (ignorada
por aqueles que as produziam) sobre o grau de consciência das diferentes
classes sociais a respeito das leis de transmissão hereditária do capital
cultural: a adesão ao mito do talento e da ascensão através da escola, da
justiça escolar, da eqüidade da distribuição dos cargos em função dos títulos,
etc., é muito forte nas classes populares. A contra-problemática pode existir
para alguns intelectuais, mas não tem força social, embora tenha sido
retomada por alguns partidos e grupos. A verdade científica é submetida às
mesmas leis de difusão que a ideologia. Uma proposição científica é como
uma bula papal sobre o controle da natalidade que só prega aos convertidos.
A idéia de objetividade numa pesquisa de opinião é associada ao fato de
se fazer a pergunta nos termos mais neutros possíveis para dar chances a
todas as respostas. Na verdade, a pesquisa de opinião estaria, sem dúvida,
muito mais próxima do que acontece na realidade se, transgredindo
completamente as regras da "objetividade", fossem dados às pessoas os
meios para que elas se situassem da mesma forma como realmente se situam
na prática real, isto é, em relação a opiniões já formuladas. Se por exemplo,
em vez de dizer "Há pessoas que são favoráveis ao controle da natalidade e
outras são desfavoráveis e você?...", se enunciasse uma série de tomadas de
posição explícita de grupos solicitados para constituir e difundir opiniões, de
modo que as pessoas pudessem se situar em relação à respostas já
9
constituídas. Fala-se freqüentemente de “tomadas de posição"; existem
posições que já são previstas e que são tomadas. Mas isso não acontece por
acaso. Uma pessoa toma as posições que está predisposta a tomar em função
da posição que ocupa num certo campo. Uma análise rigorosa visa explicar as
relações entre a estrutura de posições a serem tomadas e a estrutura do
campo das posições objetivamente ocupadas.
Se as pesquisas de opinião apreendem muito mal os estados virtuais da
opinião e mais exatamente os movimentos de opinião, é, entre outras razões,
porque a situação na qual elas apreendem as opiniões é inteiramente artificial.
Nas situações em que se constitui a opinião, em particular as situações de
crise, as pessoas se encontram diante de opiniões constituídas, de opiniões
sustentadas por grupos, de forma que escolher entre duas opiniões é
evidentemente escolher entre grupos. Tal é o princípio do efeito de politização
que produz a crise: é preciso escolher entre grupos que se definem
politicamente e definir cada vez mais tomadas de posição em função de
princípios explicitamente políticos. De fato, o que me parece importante é que
a pesquisa de opinião trata a opinião pública como uma simples soma de
opiniões individuais, recolhidas numa situação que no fundo é a da cabine
indevassável, onde o indivíduo vai exprimir furtivamente, no isolamento, uma
opinião isolada. Nas situações reais, as opiniões são forças e as relações
entre opiniões são conflitos de força entre os grupos.
Uma outra lei resulta destas análises: tem-se muito mais opiniões sobre
um problema quando se está mais interessado por este problema, isto é,
quando se tem mais interesse neste problema. Por exemplo, a taxa de
respostas sobre o sistema de ensino está muito intimamente ligada ao grau de
proximidade em relação ao sistema de ensino, e a probabilidade de ter uma
opinião varia em função da probabilidade de ter poder sobre o que se opina. A
opinião que se afirma enquanto opinião, espontâneamente, é a opinião das
pessoas cuja opinião tem peso, como se costuma dizer. Se um Ministro da
Educação agisse em função de uma pesquisa de opinião (ou pelo menos a
partir de uma leitura superficial da pesquisa), ele não faria o que ele faz
quando age realmente como um homem político, isto é, a partir dos
telefonemas que recebe, da visita de tal responsável sindical, de tal decano,
etc. De fato, ele age em função destas forças de opinião realmente
constituídas que só afloram à sua percepção à medida em que têm força e têm
força porque são mobilizadas.
Quanto a prever o que será da Universidade nos próximos dez anos,
acho que a opinião mobilizada constitui a melhor base. No entanto, o fato -
atestado pelas não-respostas - de que as disposições de certas categorias não
acedem ao estatuto de opinião, isto é, de discurso constituído aspirando à
coerência, aspirando a ser ouvido, a se impor, etc., não deve levar à conclusão
de que, em situações de crise, as pessoas que não tivessem nenhuma opinião
escolheriam ao acaso. Se o problema está politicamente constituído para eles
(problemas salariais e de ritmo de trabalho para os operários), eles vão
escolher em termos de competência política. Se trata-se de um problema que
não está politicamente constituído para eles (caráter repressivo das relações
na empresa), ou se está em vias de constituição, as pessoas serão guiadas
pelo sistema de disposições profundamente inconsciente que orienta as
escolhas nos mais diferentes domínios, desde a estética ou o esporte até as
preferências econômicas. A pesquisa de opinião tradicional ignora, ao mesmo
tempo, os grupos de pressão e as disposições virtuais que às vezes não se
exprimem sob a forma de discurso explícito. É por isto que ela não é capaz de
produzir nenhuma previsão razoável sobre o que acontecerá numa situação de
crise.
Suponhamos um problema como o do sistema de ensino. Pode-se
perguntar: "0 que você acha da política de Edgar Faure?" É uma pergunta
muito próxima a de uma pesquisa eleitoral, no sentido de que à noite todos os
gatos são pardos: grosso modo, todo mundo está de acordo sem saber sobre
o que; sabe-se o que significou o voto por unanimidade da lei Faure na
Assembléia Nacional. Em seguida, pergunta-se "Você é favorável à introdução
da política nos colégios secundários?" Aqui, observa-se uma divisão muito
nítida. Ocorre o mesmo quando se pergunta: "Os professores podem fazer
greve?" Neste caso, os membros das classes populares, por uma
transferência de sua competência política específica, sabem o que responder.
Pode-se perguntar ainda: "Deve-se transformar os programas? Você é
favorável à aferição contínua dos resultados? Você é favorável que os pais de
alunos entrem para os conselhos de professores? Você é a favor da
agrégation?"2, etc. Na pergunta "você é favorável a Edgar Faure?", havia todas
estas perguntas e as pessoas tomaram uma única posição de uma só vez
sobre um conjunto de problemas que um bom questionário só poderia colocar
através de pelo menos sessenta perguntas a propósito das quais se
observariam variações em todos os sentidos. Em alguns casos as opiniões
estariam positivamente ligadas à posição na hierarquia social, em outros,
negativamente, às vezes de maneira muito forte, às vezes de maneira fraca,
ou não teriam nenhuma ligação. Basta pensar que uma consulta eleitoral
representa o limite de uma pergunta como, "você é favorável a Edgar Faure?",
para compreender porque os especialistas de sociologia política notam que a
relação que se observa habitualmente, em quase todos os domínios da prática
social, entre a classe social e as práticas ou as opiniões, é muito fraca quando
se trata de fenômenos eleitorais, a tal ponto que alguns não hesitam em
concluir que não há qualquer relação entre a classe social e o fato de votar na
direita ou na esquerda. Se vocês tiveram em mente que uma consulta eleitoral
coloca numa única pergunta sincrética aquilo que só poderia ser
razoavelmente apreendido em duzentas perguntas, que uns medem em
centímetros e outros em quilômetros, que a estratégia dos candidatos consiste
em colocar mal as perguntas e se esforçar ao máximo para esconder as
clivagens e ganhar votos indecisos, e tantas outras coisas, vocês concluirão
que talvez seja preciso inverter a questão tradicional da relação entre voto e
classe social e se perguntar por que, apesar de tudo, constata-se uma relação,
mesmo fraca; e se interrogar sobre a função do sistema eleitoral, instrumento
que por sua própria lógica, tende a atenuar os conflitos e as clivagens. O que é
certo é que estudando o funcionamento das pesquisas de opinião, pode-se ter
uma idéia da maneira como funciona este tipo particular de pesquisa que é a
consulta eleitoral e do efeito que ela produz.
Em suma, o que eu quis dizer foi que a opinião pública não existe, pelo
menos na forma que lhe atribuem os que têm interesse em afirmar sua
existência. Disse que por um lado haviam opiniões constituídas, mobilizadas,
grupos de pressão mobilizados em torno de um sistema de interesses
explicitamente formulados; e por outro lado, disposições que, por definição,
2 Agrégation: o titulo mais alto recebido após a conclusão de certos cursos superiores, como
por exemplo o curso de Letras ou História.
12
não constituem opinião, se por esta palavra compreendemos, como fiz ao
longo desta análise, alguma coisa que pode ser formulada num discurso com
uma certa pretensão à coerência. Esta definição da opinião não é a minha
opinião sobre a opinião. É simplesmente uma explicitação da definição
revelada através das próprias pesquisas de opinião, ao pedirem às pessoas
para tomarem posição sobre opiniões formuladas, e ao produzirem, através de
simples agregação estatística as opiniões assim produzidas, este artefato que
é a opinião pública. O que digo é apenas que a opinião pública na acepção
que é implicitamente admitida pelos que fazem pesquisas de opinião ou
utilizam seus resultados, esta opinião não existe.
Voltar ao topo
Exibir o perfil do usuário Enviar mensagem privada Enviar e-mail MSN Messenger
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Filosofia Todos os horários são GMT - 3 Horas
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Você não pode enviar mensagens novas neste fórum
Você não pode responder mensagens neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode votar em enquetes neste fórum





    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 16/11/2015]
  [Powered by]
intelligence...