Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram



A língua de Eulália - Marcos Bagno

 
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Poemas e Poesia
Exibir tópico anterior :: Exibir próximo tópico  
Autor Mensagem
Fabrício de Lima




Idade: 32
Registrado: 28/09/09
Mensagens: 37

MensagemEnviada: 14/05/2010 - 00:19:45    Assunto: A língua de Eulália - Marcos Bagno Responder com citação

QUEM RI DO QUÊ?

Depois do almoço, que foi mesmo uma grande festa, Ângelo
voltou ao trabalho e Eulália foi dormir sua sesta habitual da
tarde.
Vera, Sílvia e Emília saíram para passear pela chácara com
Irene.
— A senhora tem um jardim deslumbrante, dona Irene! —
comenta Sílvia, maravilhada diante dos canteiros de rosas e
hortênsias.
— Para começar, deixe o “senhora” de lado e esqueça o “dona”
também — diz Irene, sorrindo. — Já é um custo agüentar a Vera me
chamando de “tia” o tempo todo. Meu nome é Irene. “Dona” Irene ou,
pior, “Professora Doutora” Irene, eu cobro só de quem não gosto.
Todas sorriem. Irene prossegue:
— Agradeço os elogios para o jardim, só que você vai ter de
fazê-los para a Eulália, que é quem cuida das flores. Eu sou um
fracasso na jardinagem. A Eulália, não, acho que tem um “dedo
verde”. Basta alisar uma planta murchinha para ela ficar toda
brejeira, verdinha e viçosa. Uma coisa impressionante.
— Foi ela também que preparou o almoço, não foi? — pergunta
Emília.
— Foi — responde Irene. — Eu gosto de cozinhar, mas quando
tem visita, a Eulália não me deixa chegar perto das panelas. Faz
questão de preparar tudo sozinha. A maior glória para ela é quando
alguém louva a comida que fez.
— Parece que a Eulália é mesmo muito prendada — comenta
Sílvia.
— Prendada? Essa é boa! — ri Irene. — Menina, em que século
passado você nasceu?
Sílvia fica corada.
— Para dizer a verdade — prossegue Irene —, a Eulália é um
D
poço sem fundo de conhecimento e sabedoria. Todo dia aprendo uma
coisa nova com ela. Só de remédios caseiros, feitos com ervas
medicinais, dava para encher uma enciclopédia. E como conselheira
para momentos de angústia e depressão não conheço melhor
psicólogo do que ela.
— Pode até ser — comenta Emília enquanto as quatro se
sentam [pág. 13] num grande banco de madeira sob um
caramanchão. — Mas ela fala tudo errado. Isso para mim estraga
qualquer sabedoria.
— Eu tive de me segurar para não rir quando ela disse aquelas
coisas na mesa — acrescenta Sílvia.
— Que coisas? — quer saber Vera.
— Ah, sei lá... agora não me lembro — responde Sílvia.
— Eu me lembro — adianta-se Emília. — Ela disse “os
probrema”, “os fósfro”, “môio ingrês”...
— É mesmo — confirma Sílvia —, e a mais engraçada foi:
“percurá os hôme”...
Sílvia ri, e Emília a imita.
Irene fica séria por alguns instantes. De repente, vira-se para
as duas moças e diz:
— Or tu chi se’, che vuoi sedere a scranna / Per giudicar da
lungi mille miglia, / Con la veduta corta d’una spanna?
Sílvia, Emília e Vera, tomadas de surpresa, ficam mudas.
— E então? Não querem rir também do que eu disse, como
riram das coisas que a Eulália falou?
— Mas você falou em italiano — diz Vera.
— Se era italiano, por que devíamos rir? Eu não posso achar
graça naquilo que não entendo — diz Emília.
— E por que você não entende? — pergunta Irene.
— Ora, porque não falo italiano — responde Emília.
— E o que é que você fala? — continua Irene.
— Eu falo português — diz Emília, já intrigada.
— E o que é o italiano para alguém que fala português? — quer
saber Irene.
As moças param um instante para pensar. É Sílvia quem
responde:
— É outra língua.
— Uma língua diferente — completa Vera.
— Muito bem — diz Irene. — Vocês não entenderam o verso de
Dante que eu citei há pouco porque era italiano. Mas e se eu disser
assim: “No mundo non me sei parelha, mentre me for’ como me vay, ca
já moiro por vos — e ay!”?
— Esse quase dá para entender, afinal é espanhol — diz Sílvia.
— Não senhora — corrige Irene. — É português. [pág. 14]
— Português?! — espanta-se Emília.
— Português, sim, só que do século XII, Idade Média — explica
Irene. E que tal alguma coisa assim: “Estou-me nas tintas se não te
apetece uma bola de Berlim”?
— Vai me dizer que isso também é português? — duvida Sílvia.
— Claro que é, é português falado em Portugal. Significa:
“Estou pouco ligando se você não gosta de comer sonho”.
Vera impacienta-se:
— Tia, aonde é que você quer chegar?
— Vocês não entenderam o Dante porque o italiano é diferente
do português. Vocês não entenderam o português do século XII
porque ele é diferente do português de hoje. E não entenderam o
português de Portugal porque é diferente do português do Brasil.
— E o que tem isso a ver com a fala errada da Eulália? —
pergunta Emília.
— A fala da Eulália não é errada: é diferente. É o português de
uma classe social diferente da nossa, só isso — explica Irene.
— Para mim é errado — diz Emília.
— É errado dentro das regras da gramática que se aplicam ao
português que você fala — diz Irene. — Mas na variedade não-padrão
falada pela Eulália essas regras não funcionam.
— Variedade não-padrão? Que coisa é essa, tia? — pergunta
Vera.
Irene dá um suspiro, sorri e diz:
— Essa é uma história comprida, Vera, e não sei se dá para
resumir aqui, no jardim, nesta tarde fria de julho, depois de ter
comido tanto no almoço.
— Mas agora eu fiquei curiosa — diz Vera.
— Eu também — diz Sílvia.
— E eu mais ainda — diz Emília. — Quero ver a senhora... você
me convencer que a Eulália não fala errado.
Irene se levanta e diz:
— Vamos combinar o seguinte. Hoje à noite, a gente se reúne
na sala, acende a lareira, se enrola nuns cobertores e bate um longo
papo sobre este assunto. Por coincidência, eu estou mesmo
preparando um livrinho que trata destes problemas. Vou aproveitar o
resto da tarde para ler um pouco e lá por volta das oito horas a [pág.
15] gente se encontra. Enquanto isso, Vera, leve as meninas para
passear aqui pelos arredores. Combinado?
— Combinado — diz Vera.
— Antes eu quero saber o que foi aquilo que você disse em
italiano...
Irene sorri:
— São uns versos da Divina Comédia, de Dante. A tradução é
difícil, mas significam alguma coisa como: “quem você, tão
presunçoso, pensa que é para julgar de coisas tão elevadas com a
curta visão de que dispõe”?
Emília e Sílvia se entreolham.
— É impressão minha, ou foi uma indireta? — pergunta Sílvia.
— Indireta nenhuma, querida — responde Irene, puxando
Sílvia para junto de si e abraçando-a com carinho. — São uns versos
bonitos que guardei de cor, só isso.
— E aquele português da Idade Média, o que era? — pergunta
Emília.
— São os primeiros versos de uma cantiga de amor — responde
Irene. — Essa cantiga é considerada o texto mais antigo escrito em
língua portuguesa, data de 1189. É tão antiga que até hoje os
filólogos discutem sobre o significado exato das palavras... Mas agora
chega de conversa. Vão passear. Durante o passeio, aproveitem para
pensar na resposta que vocês dariam à seguinte pergunta: “Quantas
línguas se fala no Brasil?” Não digam nada agora. À noite a gente se
vê. [pág. 16]
Voltar ao topo
Exibir o perfil do usuário Enviar mensagem privada Enviar e-mail MSN Messenger
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Poemas e Poesia Todos os horários são GMT - 3 Horas
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Você não pode enviar mensagens novas neste fórum
Você não pode responder mensagens neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode votar em enquetes neste fórum





    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 12/04/2021]
  [Powered by]
intelligence...