Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram



Contra a teoria ética dos mandamentos divinos

 
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Moralidade e Mendacidade
Exibir tópico anterior :: Exibir próximo tópico  
Autor Mensagem
t. h. abrahao

Fundador PN


Idade: 37
Registrado: 22/01/05
Mensagens: 574
Localização: são josé do rio preto - sp

MensagemEnviada: 07/11/2005 - 20:39:22    Assunto: Contra a teoria ética dos mandamentos divinos Responder com citação

Contra a teoria ética dos mandamentos divinos
por Simon Blackburn
Universidade de Cambridge


:axe:



O desafio clássico à ideia de que a ética pode ter um fundamento religioso é fornecido por Platão (c. 429-347 a.C.), no diálogo conhecido como Êutífron. Neste diálogo, Sócrates, que está prestes a ser julgado por impiedade, encontra um tal Êutífron, que se apresenta como alguém que sabe exactamente o que é a piedade ou a justiça. De facto, Êutífron está tão seguro de si mesmo que está prestes a instaurar uma acção contra o seu próprio pai por ter causado uma morte.

Citação:
ÊUT. Sim, eu diria que o que os deuses amam é pio e sagrado, e que o oposto, que eles odeiam, é ímpio.

SÓC. Devemos investigar a verdade disso, Êutífron, ou aceitar simplesmente a mera afirmação com base na nossa própria autoridade, ou na autoridade alheia? Que dizes?

ÊUT. Devemos investigar; e penso que a afirmação irá resistir ao teste da investigação.

SÓC. Assim o veremos, meu bom amigo, já de seguida. O primeiro aspecto que eu gostaria de começar por compreender é se o pio ou sagrado é amado pelos deuses por ser sagrado, ou se é sagrado por ser amado pelos deuses.


Uma vez colocada esta questão Sócrates não tem dificuldade em chegar a uma das suas alternativas:

Citação:
SÓC. E que dizes da piedade, Êutífron? Não será a piedade, de acordo com a tua definição, amada por todos os deuses?

ÊUT. Sim.
SÓC. Por ser pio ou sagrado, ou por outra razão?

ÊUT. Não, a razão é essa.

SÓC. É amado por ser sagrado, e não é sagrado por ser amado?

ÊUT. Sim.

SÓC. E o que é apreciado pelos deuses é por eles amado e está num estado que lhe permite ser por eles amado?

ÊUT. Sem dúvida.

SÓC. Então o que é apreciado pelos deuses, Êutífron, não é sagrado, nem o que é sagrado é amado pelos deuses, como afirmas; mas estas são duas coisas diferentes.

ÊUT. Que queres dizer, Sócrates?

SÓC. Quero dizer que reconhecemos que o sagrado é amado por Deus por ser sagrado, e não que é sagrado por ser amado.


A ideia é que Deus, ou os deuses, não devem ser concebidos como algo arbitrário. Os deuses têm de ser encarados como seres que seleccionam as coisas certas para permitir e proibir. Têm de captar o que é sagrado ou justo, exactamente como nós o fazemos. Eles não podem fazer isto simplesmente por serem poderosos, ou por terem criado tudo, ou por terem o dom de prescrever castigos horríveis e recompensas deliciosas. Isso não faz deles bons. Além disso, obedecer aos seus mandamentos só por causa do seu poder seria servil e interesseiro. Suponha-se, por exemplo, que eu tenho em mente fazer algo mau, como trair a confiança de alguém. Não basta que eu pense «Bom, vejamos, os ganhos são estes, mas agora tenho de ter em conta a hipótese de Deus me castigar fortemente se eu o fizer. Por outro lado, Deus é indulgente e é bastante provável que eu o consiga trapacear através da confissão, ou arrependendo-me mais tarde, à hora da morte…» Estes não são os pensamentos de quem tem um bom carácter. Quem tem um bom carácter é de esperar que pense «Seria uma traição, por isso não o vou fazer». Fim da história. Entrar numa análise de custo-benefício religioso é, numa expressão que o filósofo moral contemporâneo Bernard Williams tornou famosa, ter «um pensamento a mais».

Assim, o desvio pelos caminhos de um deus externo parece pior do que irrelevante. Parece distorcer a própria ideia de um padrão de conduta. Como o filósofo moral Immanuel Kant (1724-1804) afirma, encoraja-nos a agir de acordo com uma regra, mas apenas por medo do castigo ou por causa de outro incentivo qualquer; mas o que realmente queremos é que as pessoas escolham agir por respeito com a regra. Isto é o que a verdadeira virtude exige.




Tradução de Pedro Galvão e Desidério Murcho
Texto retirado da obra Being Good (Oxford University Press, Oxford, 2001), pp. 14-17.
fonte: Crítica na Rede
Voltar ao topo
Exibir o perfil do usuário Enviar mensagem privada Enviar e-mail Visitar o website do usuário MSN Messenger
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Moralidade e Mendacidade Todos os horários são GMT - 3 Horas
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Você não pode enviar mensagens novas neste fórum
Você não pode responder mensagens neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode votar em enquetes neste fórum





    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 12/04/2021]
  [Powered by]
intelligence...