Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram



Suicídio

 
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Off-site
Exibir tópico anterior :: Exibir próximo tópico  
Autor Mensagem
Lenore

Fundador PN


Idade: 37
Registrado: 09/05/04
Mensagens: 64
Localização: Catanduva

MensagemEnviada: 06/06/2006 - 12:23:48    Assunto: Suicídio Responder com citação

O termo "suicídio'' foi utilizado pela primeira vez em 1737 por Desfontaines. O significado tem origem no latim, na junção das palavras ''sui'' (si mesmo) e ''caederes'' (ação de matar). Esta conotação especifica a morte intencional ou auto-infligida. Num aspecto geral, o suicídio é um ato voluntário por qual um indivíduo possui a intenção e provoca a própria morte. Pode ser realizado através de atos (tiro, envenenamento ou enforcamento) ou por omissão (recusa em alimentar-se, por exemplo).

É considerada tentativa de suicídio qualquer ato não fatal de automutilação ou de auto-envenenamento. A intenção da morte não deve ser incluída nesta definição, pois nem sempre é manifestada. A gravidade da tentativa deve relacionar-se com a "potencialidade autodestrutiva" do método utilizado, com a probabilidade de uma intervenção de terceiros.

O suicídio é a conseqüência de uma perturbação psíquica. A tensão nervosa que envolve, e culmina nos conflitos intrapsíquicos de gravidade acentuada, transtorna a tal ponto que a morte torna-se único refúgio e a inevitável solução dos problemas. Inconscientemente, o suicida tentou depositar a culpa de sua morte nos outros indivíduos que compõem seu ambiente social, principalmente nos familiares. Neste caso o suicídio funciona como um ''castigo''. É como revidar uma agressão do ambiente que o envolve.

Na civilização romana a morte não era significativa, importante era a forma de morrer: com dignidade e no momento certo. Para os primeiros cristãos, a morte equivalia à libertação, pois a doutrina pregava que a vida era um "vale de lágrimas e pecados". Nesse momento a morte surgia como um atalho ao paraíso.

Nos séculos V e VI, nos Concílios de Orleans, Braga e Toledo, proibiram as honras fúnebres aos suicidas, e determinaram que mesmo aquele que não tivesse obtido sucesso em uma tentativa deveria ser excomungado. Assim o suicídio passou a ser considerado um crime que poderia implicar na condenação à morte dos que fracassavam. Os familiares dos suicidas eram deserdados e vilipendiados enfrentando os preconceitos sociais. Apenas na Renascença a humanidade dos suicidas foi reconhecida, o romantismo desse período forjou em torno do tema uma determinada áurea de respeitabilidade.

Alguns fatores são comuns aos indivíduos que tentaram ou cometeram suicídio. Por exemplo, é mais freqüente nas idades que delineiam as fronteiras da vida, como a puberdade e a adolescência, e entre a maturidade e a velhice. Porém, a faixa etária compreende genericamente dos 15 aos 44 anos.

Um ponto significativo a ser analisado, é que os casos de suicídios foram extremamente raros nos campos de concentração, o que reforça a evidência de que as condições exteriores (mesmo as mais brutais) não explicam o fenômeno. Além disso, o suicídio é mais comum em nações ricas e ocorre com mais freqüência nas classes médias.

Por razões não completamente esclarecidas, as mulheres cometem três vezes mais tentativas de suicídio que os homens. No entanto os homens são mais eficazes. Isto porque o sexo feminino recorre aos métodos mais brandos como o envenenamento. Enquanto os homens usam armas de fogo, tendem ao afogamento, enforcamento ou saltando de grandes altitudes.

As doenças físicas como câncer, epilepsia e AIDS; ou doenças mentais como alcoolismo, dependência toxica e esquizofrenia, compõem alguns dos motivos que induzem um indivíduo a atentar à própria vida. Algumas situações sociais também conduzem ao suicídio. Podemos incluir como exemplo o insucesso no matrimônio ou não ser casado, não ter filhos, não ser religioso, isolamento social e o fracasso financeiro.

A depressão também está aliada aos casos de suicídio. Porém, no auge das crises depressivas o indivíduo fica menos vulnerável a tais tentativas. Isto porque a depressão é caracterizada principalmente pela desmotivação, desinteresse e letargia do raciocínio. Nesse momento, o indivíduo não se dispõe a nenhuma atividade, inclusive o ato de se matar. Alcançado este estágio, a tendência é a omissão, que também é considerado uma das formas de suicídio.

Jovens Suicidas

Entre os jovens (faixa etária que compreende dos 15 aos 24 anos) o suicídio já é a terceira causa de morte, atrás apenas dos acidentes e homicídios.


Os conflitos mais comuns que desencadeiam os suicídios entre os jovens são encontrados na educação, criação e conduta familiar dos indivíduos. O sentimento de culpa imposto pelas chantagens emocionais, agressões, castigos exagerados, criação e imposição de uma auto-imagem irreal ao indivíduo, o abandono afetivo e a superproteção, são as principais causas dos suicídios cometidos entre os jovens. A soma desses, e outros fatores menos relevantes, resultam numa desorganização da personalidade em desenvolvimento, desequilibra continua- mente o sistema nervoso e desencontra o indivíduo do seu ego. Por conseqüências superficiais temos o bloqueio intelectual, a constante desmotivação pelas atividades cotidianas (como os estudos), a neces- sidade de uma fuga psíquica e o entor- pecimento mental. Novamente o suicídio é o resultado mais grave dos desequilíbrios.

Indicadores de Risco

Geralmente o suicídio não pode ser previsto, mas existem alguns indicadores de risco:

Tentativa anterior ou fantasias de suicídio.

Disponibilidade de meios para o suicídio.

Idéias de suicídio abertamente faladas.

Preparação de um testamento.

Luto pela perda de alguém próximo.

História de suicídio na família.

Pessimismo ou falta de esperança.

Índices no Brasil e no Mundo


Suicídios no mundo:

No mundo suicidam-se diariamente 2000 pessoas.*

Nos Estados Unidos são 30.000 suicídios por ano (quase 100 por dia).

No geral, 7% dos suicidas sofrem de dependência alcoólica.

Aproximadamente 90% de quem tenta, avisa antes.

Em torno de 70% dos suicídios ocorrem em decorrência de uma fase depressiva.

Quem já fez uma tentativa, tem 30% mais chances de repetir do que quem nunca tentou.


*Esses valores podem ser bem maiores, pois muitos casos de suicídios são considerados acidentes.


No Brasil:

Entre 1989 e 1998 os suicídios aumentaram 56,9%.

O índice brasileiro é de 4,9 suicídios para cada grupo de 100 mil habitantes.

O Rio Grande do Sul possui os índices mais altos: 11 para cada grupo de 100 mil habitantes.

Porto Alegre é a capital com maior taxa de suicídios (11,9/100 mil).

Entre 1993 e 1998, o número de jovens que tentaram o suicídio aumentou 40%.

Em 1997 quase 1.500 jovens tentaram se matar no Brasil.







_________________
Flávia Dellamura
http://www.taedium.com.br/
flavia@ateus.net

O ódio é meu único vício
O desprezo é minha única virtude
O nada, meu único ideal
A.D.C
Voltar ao topo
Exibir o perfil do usuário Enviar mensagem privada Enviar e-mail Visitar o website do usuário MSN Messenger
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Off-site Todos os horários são GMT - 3 Horas
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Você não pode enviar mensagens novas neste fórum
Você não pode responder mensagens neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode votar em enquetes neste fórum





    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 12/04/2021]
  [Powered by]
intelligence...