Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram



O Guardador de Rebanhos (IX) - Análise

 
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Poemas e Poesia
Exibir tópico anterior :: Exibir próximo tópico  
Autor Mensagem
Thais Paloma

Visitante






MensagemEnviada: 16/07/2006 - 09:42:26    Assunto: O Guardador de Rebanhos (IX) - Análise Responder com citação


O Guardador de Rebanhos (IX)

Sou um guardador de rebanhos
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as maõs e com os pés
E com o nariz e com a boca

Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.

Alberto Caeiro

Neste poema Pessoa retrata a realidade objetiva e a verdade advinda desta num sincero niilismo, o que ele vê, sente e pensa, enfim, capta empiricamente, já é, sem sí, a razão e o fim prático de estar sendo, de estar acontecendo como algo com um propósito, uma finalidade e uma finidade implícitas, por isso ele diz:
..."Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido"

A única realidade para ele é esta objetiva, não há razão para conceber realidades, assim como não há racionalidades racionais. Ele sente, vê, toca, cheira e não forma valores e idéias abstratas a cerca delas; por exemplo, uma árvore. Uma árvore é apenas uma árvore e não fica pensando no que poderia ser, não interpreta abstratamente e si mesma, tem uma finalidade ambiental, biológica e etc, e uma finalidade implícitas e é só.
..."Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto
E me deito ao comprido na erva
E fechos os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade
Sei a verdade e sou feliz".
Não há filosofias, nem tampouco realidades, há a objetividade de uma realidade que está aí, queiramos ou não, aceitemos ou não, as abstrações são apenas concepções de valores concebidos meticulosamente; as sensações seriam todo o método lógico para se apreender a complexidade da realidade, para sabê-la sendo, acontecendo, aquém e independente de nós e, em contrapartida, interagindo conosco e medida que, pelos sentidos primais, saímos do estado de "idiotice", aludindo a concepção de Heráclito para a palavra, nos voltando para as suas várias questões, ao invés de subjugar o mundo aos nossos caprichos e vontades, ignorando-o e considerando-o externo a nossa própria existência.
"Sou um guardador de rebanhos
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e com os pés
E com o nariz e com a boca".
Em suma, mais um dos belos poemas de Pessoa, que diz tanto com tão pouca retórica.


Editado pela última vez por sinnedos em 16/07/2006 - 09:46:17; num total de 2 vezes
Voltar ao topo
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo tópico   Responder tópico    Paraíso Niilista - Índice -> Fórum Poemas e Poesia Todos os horários são GMT - 3 Horas
Página 1 de 1

 
Ir para:  
Você não pode enviar mensagens novas neste fórum
Você não pode responder mensagens neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode votar em enquetes neste fórum





    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 28/05/2011]
  [Powered by]
intelligence...