Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram


 
Seção Poemas
 

acaso

Se penso duas vezes
Não é porque tenho escolha
Não tenho escolha nem cura

A inteligência é isto:
Um peso inútil
Que se tem de carregar
Ao longo de toda a vida

Uma penosa maldição
À qual a contingência condena
Alguns pobres desgraçados
Desafortunados e desventurados

Agora me vejo:
Um asno trágico
Que têm sobre si
Um peso excessivo
Que não pode suportar
E tampouco lançar fora

Queria ser burro
Ou leviano
Ou ingênuo
Ou irrefletido
Ou superficial
Ou espontâneo

Não me importa o eufemismo
Que usemos para suavizar
A grande estultice humana
Em sua felicidade conseqüente
Semelhante à dos animais

Viver na superfície
Respirar ar leve
Límpido e falso
Ou afogar-se no lodo
Asfixiar-se em fedor
Fealdade e realidade?

Não tenho escolha nem cura
A inteligência é uma prisão
E esta despoja do viver
A prerrogativa de só viver
Imerso na superfície estagnada
De uma vivência impensada

Um grilhão que prende
Ao lodo da realidade
E para cortá-lo
É preciso cortar os pulsos
Com os cacos do espelho
Da própria honestidade

Prisioneiro de meu próprio inferno
Esta chama sempre arderá
Neste corpo de cinzas de carne
Neste aglomerado de vísceras revoltas
Com chumbo correndo às veias
E queimando até a autodestruição

O ódio é meu único vício
O desprezo é minha única virtude
O nada, meu único ideal

Esta vida é lama
Lama e lodo
Depois nada

André Díspore Cancian
[sine data]
 
[retornar ao índice]
 
 




    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 15/11/2015]
  [Powered by]
intelligence...