Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram


 
Seção Poemas
 

covarde

Se a vida fosse eterna
Eterna seria a dor
Eterna seria a tristeza
Eterna seria a angústia
E eterno o anseio pelo fim

A eternidade é o inferno
Que nossa covardia deseja
Temeroso aquele que busca remissão
Desta imerecida pungência
Temeroso aquele que busca anestesia
Desta finita maldita punição

Nesta viagem vã
Por entre escolhos e entulhos
Por entre cacos de gente viva e morta
Sangramos em demasia
Temos medo de usar a anestesia

Mas quando cessar nossa dor
Quando redimidos pela foice
Vê: só nosso corpo se esfacelou
E de nós ainda resta o eterno o punhal
Que nosso coração sempre abrigou

Posto que redimidos de nossa dor
Este punhal faz outrem sofrer
Nossa paz exige a vingança
Pela qual a vida sofre por viver

Pois maldita bênção é a finitude
De nossa desditosa aventura!
Nesta luta para viver a dor
A serenidade da foice ousa por nós
Aquilo que a covardia nos proíbe amar

Espero de braços abertos
Minha derradeira anestesia:
Adormecer a dor deste punhal
Cravado no peito de uma vida terminal

Adoeço preso no sonho deste momento
E covardemente estou à espera do final
Que a foice me mate com a paz imortal

André Díspore Cancian
[sine data]
 
[retornar ao índice]
 
 




    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 15/11/2015]
  [Powered by]
intelligence...