Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram


 
Seção Poemas
 

eternamente

Para que uma vida viva
Outra deve morrer
E tudo deve morrer
Para que a vida seja eterna

Eterna em seu devir
Em sua dor
Em sua finitude
Em sua estupidez
Em seu mistério
Que não é mistério
Porque não é nada

Corre a areia da ampulheta
Inexorável em sua crueldade
Consumindo nossas vidas
Lentamente – passo após passo

Cadáveres lúcidos percorrem
Seus caminhos eternamente vazios
Nascidos num corredor da morte
Condenados à cela deste corpo
Cumprindo o horror deste destino
Que é eternamente vão

Somente cacos humanos
Que formam esta coisa vivente
Que rasteja, murmura, mente
E mente para fazer sentido
Porque precisa fazer sentido

Pois me espanta e dói
Que a vida assim caminhe
Por entre essas paisagens falsas
Sobre esses frios trilhos obscuros
Com os olhos sempre vendados
Numa viagem desnorteada
Para ao fim retornar
À mãe escuridão
Nossa morada

Talvez por sorte
Nenhum espelho reflete a vida
E por isso vive sem saber o que é
Permanecendo alheia de si mesma
Por amor a si mesma

Toda a nossa vida
Este tragicômico passatempo
Alimenta-se da cega paixão
Não merece entendimento
Não merece seriedade
E isso tampouco deseja
Pois sequer suporta

André Díspore Cancian
[sine data]
 
[retornar ao índice]
 
 




    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 15/11/2015]
  [Powered by]
intelligence...