Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram


 
Seção Poemas
 

luta

Quisera pudesse ser um escarro
                     [dormente
Cuspido no mundo, no fundo do nada
E explodir na inexistência tão brevemente
Quanto merece um escarro ter essência
Mas meu viver não se perde: se sente...
Como arquiteto da estrada
Do nada da vida
        [ao nada
De pedras rachadas
De mágoa e tristeza
De todo o tão pouco
Com que o desprazer abraça
O vulto de um sonho
Abandonado ao lado dos momentos
Em que se troca por memória
Em que se troca os pormenores
Pelo que pudermos inventar
              [e distanciar
Em mentira feita vista, feita história
Feito o teatro, feito o caminho

Mas se não...
Então avante toda honestidade
Que uma hora pesada pode evocar
Que se levante por sua certeza
E que lute pela tristeza
Em legítima defesa
Vista a vista branca
E a alma negra
O verbo tinto
E o brado austero
Aleijando a fraqueza
Desmentindo a vida
Escudando a nobreza
De quem padece e não mente
De quem não vive e ressente
O nada que nos irmana
           [para nada
                [para sempre...

André Díspore Cancian
[sine data]
 
[retornar ao índice]
 
 




    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 15/11/2015]
  [Powered by]
intelligence...