Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram


 
Seção Poemas
 

nihil

Existir dói por convenção
Na irrazão de que a vida reviva
Sempre mais, mas para nada
Sentenciado à esperança perpétua
Que rasga-se pelo caminho do vácuo
Até a vertigem de alcançar a meta
Cem passos além da exaustão
Ofegante na sina de quem foge
Do desatino de quem nasce
Onde todo triunfo transfoge e dói

Todo o nada do passado
Despeja vazio no presente
Despeja todo o presente
No porvir deste momento
Todo passado pesa agora
E quem pensa-se passado
Pressente inda mais amargor

Bipartido em meus pensamentos
E sonhando-me livre em querer
Escolher, retroagir, agir e fitar
Mas contido no nada do imedito
Vivendo num fato sem escolha

Daqui invejo quem desiste
                                [e insiste
Em emudecer com algo por dizer
Nem pensar pensar sem agir
Esquecendo que sonha
O sonho de desaparecer
A cada segundo menos vivo
                         [mais ninguém
Nem feliz ou triste, nada convém
Nem esperar a sorte
Nem esperar a morte
Nem sangrar de saber
Nem sofrer para esquecer

A morte não será o fim
Viver nunca foi um início
Somente a sensação triste
De dar por si com um rosto
E a ilusão de que sou algo
              [mais que um fato
Com necessidade de viver
E a nescidade de quem vive

André Díspore Cancian
[sine data]
 
[retornar ao índice]
 
 




    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 15/11/2015]
  [Powered by]
intelligence...