Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram


 
Seção Reflexões
 

a lucidez da solidão

Sempre tive a impressão de que a solidão prolongada nos coloca em contato com nosso “eu” interior, faz com que consigamos enxergar de forma extremamente nítida aquilo que faz parte de nós mesmos e aquilo que é influência externa. Para imaginar se aquilo que fazemos de nossas vidas é realmente original de nossa pessoa, costumo imaginar como viveria se estivesse numa ilha deserta, sem nenhuma pessoa por perto e sem nenhuma chance de vir a encontrar alguma pelo resto de minha vida. Nesta situação, todos os esforços que tipicamente imaginamos como sendo “nossos” apresentam-se somente como uma interiorização de objetivos sociais. Penso que aquilo que faríamos se estivéssemos condenados a viver sozinhos pelo resto de nossas vidas seria o nosso eu mais original e independente, apesar de que ele parece-me lamentavelmente pobre; talvez isso aconteça porque, sem ilusões, realmente somos pobres em conteúdo.
André Díspore Cancian
[sine data]
 
[retornar ao índice]
 
 




    RSS Paraíso Niilista
  Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
Copyright © Paraíso Niilista – O Vazio e o Nada se encontram
:: Caso encontre erros, aprenda com eles ::
[On-line há ]
[última atualização: 15/11/2015]
  [Powered by]
intelligence...